Vista normal Vista MARC Vista ISBD

Contabilidade e controlo de gestão : teoria, metodologia e prática / Aldónio Ferreira... [et al.] ; org. Maria João Major, Rui Vieira

Co-autor: Ferreira, Aldónio Autor secundário: Major, Maria João
Vieira, Rui
Publicação: Lisboa : Escolar, cop. 2009 Descrição: XVII, 364 p.ISBN: 978-972-592-241-5 Nome comum: Contabilidade de gestão CDU: 657 Lista(s) em que este item aparece: Contabilidade
Etiquetas desta biblioteca: Sem etiquetas desta biblioteca para este título. Adicionar etiqueta
Iniciar sessão para acrescentar etiquetas.
    classificação média: 0.0 (0 votos)
Tipo de documento Localização Cota Estado Data de devolução Código de barras
Monografia
Biblioteca IPBeja
657/CON (Ver prateleira) Disponível 42556

Índice

índice de Figuras, p. XI
índice de Tabelas, p. XII
índice de Quadros, p. XIII
Prefácio, p. XV
Introdução, p. I
Parte I. Investigação em Contabilidade e Controlo de Gestão, p. 7

Capítulo 1. Paradigmas Teóricos da Investigação em Contabilidade, p. 9
Introdução, p. 11
l.Taxionomia da Investigação em Contabilidade, p. 12
2.Investigação predominante em contabilidade, p. 15
3.Alternativas de investigação em contabilidade, p. 19
3.1.Investigação interpretativa em contabilidade, p. 20
3.2.Investigação crítica em contabilidade, p. 23
4.Abordagens Alternativas em Contabilidade de Gestão, p. 27
Conclusões, p. 30

Capítulo 2. A Teoria Institucional na Investigação em Contabilidade, p. 35
Introdução, p. 37
1.A Nova Economia Institucional (NIE), p. 38
2.A Velha Economia Institucional (OIE), p. 41
3.A Nova Sociologia Institucional (NIS), p. 44
4.Novos Desenvolvimentos da Teoria Institucional, p. 49
Conclusão, p. 56

Capítulo 3. Investigação em Contabilidade de Gestão, p. 61
Introdução, p. 63
1.Investigação Analítica, p. 64
1.1.Origem e fundamentos, p. 64
1.2.Estruturação do problema a investigar, p. 66
1.3.Investigação analítica: uma análise crítica, p. 68
2. Investigação Empírica Quantitativa, p. 69
2.1.Origem e fundamentos, p. 69
2.2.Teoria de contingência: desenvolvimentos fundamentais, p. 70
2.3.Teoria de contingência: uma análise crítica, p. 73
3. Alternativas de Investigação em Contabilidade de Gestão, p. 76
3.1.Origem e fundamentos, p. 76
3.2.A perspectiva naturalista, p. 77
3.3.A perspectiva interpretativa e estruturalista, p. 78
3.4.A perspectiva radical, p. 79
3.5.A perspectiva inspirada em Foucault, p. 80
3.6.A perspectiva inspirada em Latour, p. 81
3.7.Perspectivas «alternativas»: uma análise crítica, p. 82
Conclusões, p. 83

Capítulo 4. Investigação em Contabilidade Financeira: Três Contribuições Seminais, p. 89
Introdução, p. 91
1.A Contribuição de Ball e Brown (1968), p. 93
1.1. A envolvente científica: a década de sessenta como ponto de
viragem, p. 93
1.2.A contribuição de Ball e Brown (1968), p. 94
1.3.O ambiente pós-Ball e Brown (1968): os estudos de «value
relevance», p. 98
2.A Teoria Positiva da Contabilidade (PAT), p. 100
2.1.A envolvente científica, p. 100
2.2.Uma formulação da PAT, p. 103
2.3.Outras hipóteses da PAT, p. 111
2.4. Uma apreciação crítica da PAT, p. 114
3.0 modelo de Ohlson (1995), p. 116
3.1.A envolvente científica, p. 116
3.2.Apresentação do modelo de Ohlson (1995), p. 117
3.3.Algumas limitações do modelo, p. 121
3.4.Consequências do modelo para a investigação, p. 122
Conclusões, p. 124

Capítulo 5. Investigação Qualitativa em Contabilidade, p. 129
Introdução, p. 131
1.Investigação Qualitativa, p. 132
2.Métodos de Investigação Qualitativa, p. 134
2.1.Entrevista (qualitativa), p. 136
2.2.Observação, p. 139
2.3.Textos e documentos, p. 140
2.4.Registo áudio e vídeo, p. 141
3. Estudos de Caso, p. 143
3.1.Tipos de estudos de caso, p. 144
3.2.Caso único ou casos múltiplos?, p. 146
3.3.Passos na condução de um estudo de caso, p. 147
3.4.Críticas e limitações do método, p. 154

3.5.A credibilidade do método, p. 156
3.6.O que faz um estudo de caso exemplar?, p. 157
4. Análise na Investigação Qualitativa, p. 159
Conclusões, p. 161

Capítulo 6. Da Investigação Quantitativa em Contabilidade: Investigação por Inquérito, p. 165
Introdução, p. 167
1.Recurso à Investigação Quantitativa, p. 168
2.Características da Informação e suas Limitações, p. 169
3.Pesquisa de Informação, p. 171
4.Tipologia da Informação Quantitativa, p. 176
Contabilidade e Controlo de Gestão: Teoria, Metodologia e Prática
5.Metodologia da Investigação por Inquérito, p. 178
6.Selecção do Processo de Amostragem, p. 191
6.1.Amostragem aleatória, p. 191
6.2.Amostragem não aleatória, p. 193
7.Concepção e Elaboração do Questionário, p. 195
8.Perguntas do Questionário, p. 196
8.1.Classificação das perguntas quanto à forma, p. 197
8.2.Classificação das perguntas quanto ao conteúdo, p. 200
9. Erros na Formulação das Perguntas, p. 201
10. Identificação dos Erros, p. 205
Conclusões, p. 205

Capítulo 7. Investigação em História da Contabilidade, p. 209
Introdução, p. 211
1.O Que é a Investigação em História da Contabilidade? Qual é
o Seu Fim?, p. 212
2.Classificação da Investigação em História da Contabilidade: Da
Investigação Tradicional à «Nova História da Contabilidade», p. 219
2.Áreas de Estudo em História da Contabilidade, p. 225
3.Metodologias de Investigação em História da Contabilidade, p. 228
4.A Apresentação de Projectos de Investigação e Publicação em
História, p. 233
Conclusão, p. 235

Parte II. Desenvolvimentos Recentes na Contabilidade e Controlo
de Gestão, p. 241

Capítulo 8. Activity-Based Costing/Managemenf, p. 243
Introdução, p. 245
1.As Origens ao Activity-Based Costing, p. 246
2.Caracterização do ABC/M, p. 249
2.1.Principais aspectos, p. 249
2.2.Exemplificação prática, p. 257
3.Implementação do ABC/M, p. 263
4. Evolução da Abordagem ABC/M, p. 268
4.1.Evolução conceptual, p. 268
4.2.Evolução das publicações académicas e profissionais, p. 272
Conclusões, p. 273

Capítulo 9. Mudança nos Sistemas de Contabilidade de Gestão, p. 279
Introdução, p. 281
1.Mudança em Contabilidade de Gestão: Crescente Debate, p. 282
2.Modelos de Mudança em Contabilidade de Gestão, p. 286
3.O Modelo de Burns e Scapens, p. 290
3.1.Caracterização do modelo, p. 290
3.2.Extensões e Limitações do modelo, p. 292
Conclusões, p. 294

Capítulo 10. Sistemas de Medição do Desempenho e o Balanced
Scorecard, p. 299
Introdução, p. 301
1.Sistemas de Medição do Desempenho Organizacional, p. 303
1.1.As funções dos sistemas de medição do desempenho, p. 303
1.2.Características dos sistemas de medição do desempenho
contemporâneos, p. 305
1.3.Medidas de desempenho, p. 307
1.4.As vantagens e desvantagens das medidas de desempenho
não-financeiras, p. 310
2. O Balanced Scorecard na Literatura, p. 313
2.1.As origens, p. 313
2.2.O conceito, p. 314
2.3.Os mapas estratégicos, p. 318
2.4.Algumas das questões debatidas na literatura sobre o balanced
scorecard, p. 320
2.5.Novas aplicações do balanced scorecard, p. 322
3. O Balanced Scorecard no Contexto Português, p. 326
Conclusão, p. 328

Não há comentários disponíveis sobre este título.

Entre na sua conta para publicar um comentário.

Clique numa imagem para vê-la no visualizador de imagens